De erro em erro. De um lado para o outro.

19 de março de 2012

Dúvida.

Hoje passei por ti. Pareceste-me triste, apesar do sorriso que trazias na cara. De vez em quando pergunto-me se serás feliz com ela, e se para ela é importante que tu sejas feliz. Pergunto-me se ela sabe que não gostas de ficar acordado até tarde porque te tornas rabugento. Se ela sabe que adoras o cheiro a roupa lavada.  Se ela sabe que gostas de andar à chuva e que ficas irritado quando os camiões do lixo te acordam às 4h da manhã. Pergunto-me se ela sabe que, sempre que isso acontece, gostas de ficar enroscado em ti mesmo, até que voltes a adormecer. Questiono-me se ela pega na tua mão quando te sente inseguro. Será que ela consegue sentir a tua insegurança? 

Eu consigo. Eu conheço-te. Sei que a hora tardia te traz uma melancolia que não queres sentir. Sei que o cheiro a roupa lavada te tranquiliza. Sei que a chuva te faz sentir livre e que o camião do lixo te desperta de um sonho bom, e que é por isso que gostas de ficar enroscado. Sei que gostas do contacto físico quando te sentes inseguro porque assim não te sentes sozinho. Sei que levantas a sobrancelha esquerda sempre que desconfias de alguém ou de alguma coisa, e que na tua testa se forma uma ruga de cada vez que te queres rir mas não podes. Sei que, sempre que o tempo muda de forma brusca, sentes uma ligeira dor no teu pé direito porque quando eras pequeno o torceste e não quiseste ir ao médico. Sei que não gostas de ser comparado com ninguém mas que gostas da ideia de seres parecido com o teu pai. Sei que gostas de tomar banho de água bem quente mas que mesmo antes de saíres da banheira, arrefeces o teu corpo com água gelada. Sei que te ris sempre que estás nervoso e que te emocionas sempre que tens de te despedir de alguém. Sei que gostas da ideia de envelhecer, mas que o teu maior medo é a solidão. Sei que adoras que te sussurrem ao ouvido e que adormeces se alguém te mexer no cabelo.

Não sei se, como eu, ela sabe todas estas coisas. De qualquer das formas, de uma coisa estou certa. Foi fácil, demasiado fácil para ti, o dia em que saíste pl'aquela porta e te recusaste a voltar. Foi fácil o dia em que largaste a minha mão. O dia em que deixaste a minha cama vazia. O dia em que me levaste as asas e me acordaste do meu sonho bom.

Hoje passei por ti. Sim, pareceste-me triste, apesar do sorriso que trazias na cara. E é essa expressão que me obriga a questionar:

Valeu a pena?

Para Ouvir: John Mayer - Slow Dancing In a Burning Room                   Para Ver: Remeember Me (2010)

1 comentário:

  1. Oh Ana tu fazes-me pensar em tanta coisa ....
    Gostei
    M'

    ResponderEliminar